x

Newsletter

Receba o conteúdo mensal :D

  • Mídias:
Michael Cusumano E David Yoffie

Gigantes Da Estratégia

  • Recursos:

Gigantes Da Estratégia - Michael e David Yoffie

Em “Gigantes da Estratégia”, David Yoffie e Michael Cusumano discutem as principais lições sobre estratégia de negócios deixadas por Bill Gates, Andy Grove e Steve Jobs. O que esses grandes CEOs tinham em comum, como eles lidaram com crises e quais foram as estratégias que os colocaram na via do sucesso global.

David Yoffie e Michael Cusumano são importantes nomes na estratégia empresarial, principalmente na área tecnológica. Estiveram presentes por décadas em importantes conselhos diretivos do vale do silício. Ambos têm diversos livros lançados e um vasto repertório no mundo da tecnologia e dos negócios. No livro os autores buscam identificar as habilidades que os gigantes da tecnologia, Bill Gates, Steve Jobs e Andy Grove tinham em comum e como eles administraram tantos altos e baixos e foram bem sucedidos. Yoffie escreveu 40 casos para o Harvard Business Review, sendo como temas recorrentes estratégia empresarial e análises sobre a Intel, Microsoft e Apple.

Os autores estruturam a tomada de decisão do trio em 5 principais lições estratégicas: 1) olhe para o futuro, raciocine no presente; 2) aposte alto, sem apostar a empresa; 3) construa plataformas; 4) explore a influência e o poder; 5) molde a organização em torno de sua âncora pessoal.

1 – Olhe para o futuro, raciocine no presente; os 3 líderes tinham uma capacidade muito sotisficada de analisar o futuro, mas o que os diferenciava era a capacidade de construir uma elaborada estratégia para pôr essa visão em prática. Olhar para o futuro é fundamental para empreendedores, pois o presente está sempre por um fio, basta um novo entrante e tudo pode ir por água abaixo. Então o empreendedor precisa ter visão para pensar o futuro, mas uma grande energia e inteligência tática para colocar a estratégia de longo prazo em prática no dia de hoje. A estratégia só faz sentido se existir execução; precisa existir uma confluência entre estratégia e tática.

2 – Aposte alto sem apostar a empresa; uma empresa é um organismo vivo e muito delicado, uma má gestão ou um passo agressivo sem resguardar-se pode causar profundos danos à empresa, quando não, a falência. É preciso apostar alto e ser sonhador, mas para realizar essa visão o preço não pode ser apostar toda a empresa, pois um erro poderá resultar em quebra. Por um sonho ou uma visão muitos empreendedores colocam tudo em risco, não ponderam sobre questões financeiras entre outras e o resultado muitas vezes pode ser uma falência seguida de gigantescas dívidas.

3 – Construa plataformas; os 3 líderes criaram grandes plataformas em suas indústrias e o resultado foi a solidez da empresa. Plataformas colocam mais braços a favor da empresa, pois uma plataforma pode receber diversos complementos de outras empresas. Imagine o Windows da Microsoft, uma grande plataforma que permite a construção de inúmeros softwares, ou a Apple Store que inaugurou uma visão poderosa com os apps e sua abertura para o mercado de desenvolvimento. A beleza da plataforma está no efeito networking, um efeito bola de neve que coloca muitos novos jogadores em campo, onde eles criam e sustentam a plataforma.

4 – Explore a influência e o poder; os autores apresentam duas formas de impor uma estratégia: o sumô e o judô. No sumô se faz pressão pelo peso e força, nele o concorrente vai ser massacrado. Tem uma negociação lendária entre Bill Gates e Steve Case CEO da AOL, onde Bill Gates para defender sua tese apresentou o seguinte argumento: “Posso comprar 20%, você inteiro ou entrar pessoalmente nesse negócio e enterrar você”. Esse é o jeito sumô de fazer negócios, é utilizar seu poder, seja qual for a origem, para pressionar e conseguir o acordo desejado. Do outro lado existe o judô, que busca por movimentos inteligentes utilizar a força do oponente para ganhar. Para exemplificar o judô temos Steve Jobs, que para entrar no universo da música com o iPod, fez acordos muito específicos com as principais labels, e por fazer um papel de pequena empresa e sem força, as gravadoras não se importaram muito, naquele momento a Apple era inofensiva no universo musical. Jobs usou a desvantagem de tamanho naquele mercado para conseguir um acordo interessante para Apple, o que em poucos meses se tornaria o pesadelo das gravadoras pelo sucesso e poder do Itunes.

5 – Molde a organização em torno de sua âncora pessoal; todos temos um ponto forte e a ideia aqui é moldar a organização com base nele. Alguns é a disciplina, outros a criatividade, a visão estratégica, e dessa forma a cultura da organização vai sendo moldada através da sua maior contribuição. Aquilo que fazemos melhor, nossa âncora pessoal, é a habilidade que podemos atingir uma alta performance com mais facilidade, e é por isso que essa visão estratégica é importante. Ao invés de diluir sua energia e esforços em vários campos, muitos deles na qual não tem afinidade ou desejo de dominar, nosso esforço passa a ser voltado àquilo que nos é mais natural.

Top 5 Aprendizados

  1. Plataformas criam vida e perpetuam um negócio.
    Se o negócio comporta uma plataforma, a criação e manutenção dessa ideia deve estar na mente e no coração dos líderes. Plataformas propulsionam negócios e a diversidade traz solidez e segurança para a empresa.
  2. Um time forte pode conquistar grandes coisas.
    Líderes fortes criam times fortes, e times fortes são grandiosos em energia e resultados. Toda grande empresa tem times fortes e seus integrantes estão unidos e comprometidos com os resultados e com os parceiros do time.
  3. Ser persistente na sua visão e trabalhar anos a fio para concretizá-la.
    Grandes coisas só vem com muito esforço e tempo. Não existe solução rápida para o sucesso; pode existir sucesso em uma ou outra área, mas sem um equilíbrio em diversas áreas ele poderá ser insustentável. Para atingir grandes objetivos só o trabalho consistente ao longo dos anos pode trazer sólidos resultados.
  4. Estratégia sem execução é total perda de tempo.
    Desenvolver estratégias e não aplicá-las é totalmente inútil. A estratégia só faz sentido se no final do processo resultar em execução.
  5. O empresário precisa ter um certo nível de paranoia.
    O empresário não pode ser tranquilo e despreocupado. Ele deve estar constantemente avaliando o risco, pensando problemas e criando soluções. Empresários descuidados são presas fáceis para crises econômicas. A paranoia na gestão de projetos, novos negócios e financeiro pode colocar a empresa em vantagem, antecipando crises, clientes inadimplentes e usando isso para modificar o rumo da companhia.  

podcast

Gigantes Da Estratégia
Michael Cusumano E David Yoffie
Lucas Conchetto - 2022